Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

life Inc.

Beauty & Lifestyle

Que triste é o nosso país.

Quinta feira ao final do dia chega-me o Action Man a casa com uma carta da SS nas mãos. Ora, nunca é coisa boa, certo? Pois. Lá se foi a boa disposição.

 

Então não é que pelos vistos andei a receber indevidamente 6% do meu subsídio de desemprego? Credo! Logo eu, cumpridora das minhas obrigações todas e que não gosto nada de ficar a dever. Que horror, estar em dívida com o Estado e a contribuir para o buraco (cada vez mais) negro deste país! É que eu nem fiz descontos durante ANOS para ter os meus direitos nem nada. Não andei ANOS a recibos verdes e a contribuir para literalmente NADA, já que os trabalhadores independentes não tinham na altura direitos!

 

Parece que tenho 10 dias para devolver o dinheiro ilicitamente recebido. Andaram a pagar esse dinheiro a mais desde Julho e eu tenho 10 dias para o devolver. Vou já ao MB a correr. É que é já a seguir.

 

Sim, porque eu não tenho emprego porque adoro levar vida de dondoca. Quem não gosta de ficar sem emprego durante uma gravidez e de estar há ano e meio em casa? De enviar Cv's e ter tido 4 ou 5 respostas? De ver o fim do subsídio de desemprego e ficar dependente do ordenado do marido?

 

Para além disto, eu só não percebo uma coisa. Se esta medida tinha sido declarada inconstitucional e os 6% até tinham sido devolvidos, porque raio voltaram ao mesmo?

 

Sinceramente, que tristeza de país este. Em que se fazem leis em cima do joelho e em que a solução para a crise é retirar dinheiro e privilégios a quem já pouco tem. Em que se retira poder de compra e depois se fica à espera da retoma da economia. Em que os grandes continuam no pedestal. 

 

xoxo

cindy

Trabalho a tempo parcial

Ontem fui chamada pela Fátima a dar a minha opinião sobre este tema. Ela postou sobre o assunto e pediu-me para dizer de minha justiça. Eu já tinha lido a notícia e fiquei um bocadinho naquele estado de espírito do "nem sim, nem sopas", ou seja, arquivei o assunto para depois me debruçar melhor sobre ele. Preparem-se que o post vai ser longo.

 

Os portugueses têm cada vez menos filhos. Todos nós sabemos isso, as estatísticas dizem-nos isso, a concertação também não ajuda e qualquer dia não há cá ninguém a morar, de tal modo as coisas estão. São feitos cortes a torto e a direito, quem pouco tem cada vez tem menos, já os mais abastados continuam na mesma. Com a crise muitos de nós foram forçados a repensar modos de vida, o que até tem o seu lado positivo para quem tinha hábitos de consumo desenfreados e viu-se obrigado a reduzir os gastos. Por outro lado, há quem ainda não tenha caído "na real" e continue a viver à grande e à francesa, ou melhor dizendo, à portuguesa. Bem, mas eu queria mesmo falar do artigo.

 

Como sabem eu fiquei desempregada durante a gravidez e assim continuo. Pude assim ficar com a Pinypon em casa no primeiro ano, depois dos primeiros 5 meses da licença de maternidade, e evitar colocá-la numa creche. Não tendo ainda arranjado emprego, continuo em casa com ela, visto que para além disso, não tinhamos vaga na creche pública. Aproveito também para dizer que isto das creches é uma pouca vergonha, há poucas e poucas vagas. Quem tem um rendimento familiar acima de 1000€ é considerado rico e paga, mesmo numa creche pública, perto de 240€ por mês. Portanto, a maior parte dos pais não tem alternativa senão escolher uma creche privada em que os preços se situam em média acima dos 300€. Isto é o equivalente a uma renda, por exemplo.

 

Do meu ponto de vista, um bébé aos 5 meses é muito pequeno para ir para a creche. Mas, não havendo alternativas, tem mesmo de ser. A não ser que os pais tenham flexibilidade de horários. E o que é isso da flexibilidade de horários? Por exemplo, a mãe no primeiro ano tem direito a redução de horário em 2h por dia, devido à alimentação do lactente. Ora essas 2h podem ser tiradas seguidas e assim a mãe pode sair mais cedo do trabalho. O ideal seria que o nosso código do trabalho permitisse aos progenitores o trabalho em part-time se assim o entendessem para poderem dar assistência aos filhos nos primeiros anos. Ou até que pudessem trabalhar a partir de casa. Ou seja, mais FLEXIBILIDADE.

 

Agora, em relação a esta nova medida anunciada. ESTÁ TUDO LOUCO? Mas então estamos em contenção e o Estado vai agora pagar para os pais ficarem a meio gás em casa. O Estado, como quem diz. NÓS VAMOS PAGAR!!! NÓS!!!

 

Não concordo e é mais uma medida para encher chouriços. Sim, podia haver mais flexibilidade, sim os pais podiam ter a opção de trabalhar a part-time, mas receberiam consoante isso. Querem ver que a malta vai desatar a ter filhos só para ganhar o mesmo e trabalhar metade?

 

Continuo a bater na mesma tecla. Precisamos de mudar a mentalidade deste país. Precisamos de políticas sociais acertadas e ajustadas à nossa realidade, investir em equipamentos e medidas de apoio à natalidade e às famílias. Precisamos de patrões que compreendam a maternidade e a paternidade. Precisamos de políticas familiares. Precisamos de deixar de andar em rebanho e começarmos a (re)construir um país em condições. E sobretudo precisamos de governantes que deixem de pensar que seremos a próxima Suécia, quando estamos mais perto de um país do 3º mundo.

 

xoxo

cindy

Meet the Blogger

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

SweetCare - Saúde, Beleza e Cosmética

Calendário

Janeiro 2018

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031